Almanaque Baiano

Almanaque Baiano

Itamar Ribeiro

Prefeiturável

14 de abril de 2016 \\ Almanaque Baiano

Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha. Provérbios 18:13


"Procuram uma causa para o impeachment sem causa". Jaques Wagner, Ministro chefe do gabinete pessoal da presidente Dilma Rousseff ao comentar pedido de impeachment.


Prefeiturável

O professor José Raimundo de Azevedo, ex-prefeito de Feira de Santana-Ba, surpreendeu a classe política feirense, na semana que passou. Em entrevista a emissoras de rádio local terça-feira (5), declarou que é pré-candidato a prefeito nas eleições de 2016. Amigos e correligionários ficaram satisfeitos, com a decisão do educador. Filiou-se ao PDT recentemente e vai concorrer ao pleito pela legenda.


Insegurança

Insegurança foi o tema de discurso, no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia, ao longo da semana que passou. Deputados de oposição se manifestaram, em tom de cobrança do governo estadual, quanto à questão da Segurança Pública na Bahia. O deputado Carlos Geilson (PSDB), em pronunciamento citou o município de Santo Estevão, que criou uma comissão, formada por setores da sociedade civil e fizeram, uma caminhada pela paz na cidade e elaborou um documento pedindo pelo menos 11 providências para combater à violência no município. Os deputados Adolfo Viana (PSDB), Pedro Tavares (PMDB), se associaram ao assunto e expuseram em suas falas a prática dos assaltos a bancos que ocorrem constantemente no interior do estado.


IPVA

O deputado Sandro Régis (DEM), quer isentar do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) os veículos de associações, empresas, cooperativas e pessoas autônomas que tenham como atividade única o Transporte Escolar. O Projeto de Lei (nº 21.809/2016) de autoria do parlamentar e já protocolado na Casa Legislativa vai beneficiar, caso aprovado, a todos os profissionais que atendam aos requisitos legais, melhorando a frota de veículos que atuam no transporte escolar, evitando a clandestinidade e contribuindo para maior segurança dos usuários.


Golpe



A expressão do momento é “GOLPE”, que leitura o brasileiro faz dessa palavra. Se analisarmos profundamente o “golpe” já foi dado. A presidenta Dilma Rousseff (PT), em seus discursos afirma que querem (oposição) dar um golpe, “fui eleita para um segundo mandato e a oposição não a aceitam no poder”.

A comissão do impeachment (impedimento) corre contra o tempo, numa celeridade nunca vista, enquanto isso as delações premiadas avançam e nomes de personalidades envolvidas na operação lavajato vão surgindo.

Com a saída do PMDB do governo federal, cargos estão à disposição dos partidos chamados de “nanicos”, o Partido Progressista (PP), Partido da República (PR) e outros aguardam ansiosos, a chamada “boquinha”, para premiar seus apaniguados.

Dirigente da empresa Andrade Gutierrez, (Otávio Marques de Azevedo-ex-presidente) envolvido na operação lavajato, manifestou o desejo de fazer “delação premiada” e isso foi aceito (homologado) pelo ministro relator do caso Teori Zavascki do Supremo Tribunal Federal (STF), mais novidades teremos no decorrer da semana.

Pergunta-se, quem sofreu o golpe? O brasileiro. Enganado com promessas eleitoreiras na campanha eleitoral, de lá para cá o desemprego cresceu, a indústria, o comercio, o agronegócio, desaceleraram sua produção, outras empresas fecharam as portas, os fundos de pensão foram surrupiados, a Petrobrás, as Termelétricas quebraram, o FIES (crédito estudantil) frustrou o sonho de estudantes, que contavam com o financiamento para ingressar na Faculdade.

Por fim o brasileiro foi golpeado pelas más promessas feitas, em ano eleitoral e não cumpridas. Esse é o verdadeiro golpe. Atenção estamos em ano eleitoral, cuidado com as promessas.


Colégios Genéricos


O deputado Pastor Sargento Isidório (Pros) apresentou o Projeto de Lei 21.798/2016, que autoriza a implantação, via convênio, de colégios genéricos/similar da Polícia Militar em todos os municípios da Bahia, que não possuam CPMs, permitindo a adoção do modelo de funcionamento e disciplina dos Colégios Militares, onde os prefeitos proponham parceria com o Estado para a melhoria de ensino em suas cidades. “É inquestionável que o modelo de ensino implantado pelos CPMs e Colégios Militares Federais são eficazes e possíveis de ser implantado a curto e médio prazos em outras unidades educacionais. Eles conjugam, ao mesmo tempo, disciplina, projeto pedagógico bem estruturado, estética militar e resgatam os valores cívico-morais. Um conjunto de fatores que formam, além de excelentes alunos, bons cidadãos”, justificou o parlamentar.


Almanaque Baiano