Educação em Foco

Educação em Foco

Anaci Paim

O PAPEL DA UNIVERSIDADE

15 de março de 2016 \\ Educação em Foco

A Universidade assume papel relevante na sociedade, em qualquer que seja o nível de desenvolvimento do país. Ela forja o futuro da pesquisa científica e do avanço tecnológico, ou seja, possibilita a inovação imprescindível ao desenvolvimento. Sem uma pós-graduação de qualidade, o quadro de pesquisadores não se renova, o conhecimento torna-se obsoleto, o nível de ensino cai e os serviços de extensão perdem  substância.     

A estrutura e organização da universidade têm como fim último viabilizar a investigação rigorosa, sistemática, metódica e sempre retomada do novo, ou seja, a produção do saber, por meio da pesquisa e da livre discussão das grandes questões teóricas e práticas, bem como a divulgação profunda, rigorosas e crítica desse saber por meio do ensino. 

Embora uma universidade precise ter capacidade instalada adequada ao desenvolvimento das atividades, ela não se reconhece pela imponência dos seus prédios, pela quantidade de professores, alunos e cursos, pela estrutura administrativa, pelo funcionamento de sua máquina burocrática, mas sim com professores altamente capacitados e comprometidos com a verdade, com a produção do conhecimento, do ensino e da pesquisa em alto nível,  com o avanço do conhecimento e com a construção de uma nova sociedade, fundada na justiça, na paz, na cidadania, na dignidade do homem.

Não sendo uma instituição acabada, ou uma entidade abstrata, mas uma realidade concreta, historicamente situada, a universidade expressa as complexas e contraditórias relações que a constitui e da sociedade da qual emerge.

Um desafio, um compromisso ético pesa sobre todos que tem responsabilidade histórica e de respeito para com o futuro da sociedade: trabalhar para que esse patrimônio coletivo não se perca, mas se constitua como instituição realmente universitária, capaz de responder  às necessidades e esperanças de nossa juventude e às utopias presentes na existência social.

Assumir esse desafio implica em construir uma política de ensino, pesquisa e extensão realmente sólida, rigorosa do ponto de vista teórico, coerente e articulado a um projeto maior da sociedade, de educação e de universidade.  E que, acima de tudo, não seja apenas enunciada nos discursos, nos documentos oficiais, mas assumida pela maioria, como uma prática realmente nova.
 
A existência de uma boa universidade  faz diferença na  vida de uma comunidade. Através do conhecimento que produz e das pessoas que forma, ela irá colaborar ativamente para o progresso material, a melhoria da qualidade de vida e a expansão do  ambiente cultural.

A universidade tem seu próprio tempo que não é o dos políticos nem o dos empresários.         Enquanto os projetos políticos se restringem, no mais das vezes, aos 4 anos de cada mandato e, aqueles da iniciativa do meio empresarial, ao tempo de retorno do capital investido, a universidade vive pelo relógio da pesquisa e não teme problemas complexos como a saúde pública, a questão urbana, a educação e outras questões sociais.

Acima da transitoriedade das circunstâncias, a universidade deve permanecer como uma  grande instituição nacional.  Cabe a ela uma contribuição determinante na formação das novas gerações e no avanço do conhecimento humano.  Assim tem sido nos países onde a idade das universidades se conta pelos séculos dedicados ao progresso do conhecimento humano.

Anaci Bispo Paim