É proibido proibir

24 de maio de 2016 \\ O Bispo

A cena teve lugar no zoológico. A mãe girafa preparava-se para dar à luz e muitos curiosos presenciavam a cena. A girafa permaneceu de pé e o filhote despencou de uma altura de quase dois metros. Depois de alguns minutos, o filhote conseguiu ficar em pé, com o aplauso da platéia. Indiferente aos aplausos, a mãe girafa deu uma patada e colocou o filhote, de novo, no chão. Mais uma tentativa do filhote e um novo coice.

A TORCIDA ficou sem entender e colocou-se contra a mãe desalmada. O pessoal do zoológico deveria tomar alguma providência; a mãe poderia machucar ou mesmo matar o filhote. Foi a vez do biólogo explicar: a mãe está sabendo o que faz. Aparentemente é uma atitude agressiva, mas é a maneira da mãe fortalecer as patas do filhote para que possa acompanhá-la. Depois da terceira tentativa e do terceiro coice, finalmente a girafinha firmou-se e correu para a mãe. Ai sim, a mãe lambeu a cria, acariciou-a e parecia dizer: parabéns, você conseguiu! E mãe e filha saíram, caminhando lado a lado.

É PROIBIDO proibir. Este foi o grito de guerra da Revolução de Maio de 1968, quando os jovens pararam a Franca durante semanas. O presidente De Gaulle devolveu a tranqüilidade ao País, mas o espírito da Revolução de Maio ganhou o mundo.

HÁ CRIANÇAS, hoje, que, de altura de seus seis ou sete anos, proclamam: mãe, você não manda em mim! Pior do que isso é quando os pais aceitam esta tirania infantil. A tirania se manifesta também na escola, quando a professora parece ser a última que manda. E muitos país, míopes, autorizam a rebeldia dos filhos, colocando-se contra os professores.

QUANDO os pais não castigam seus filhos, a vida se encarregará de fazê-lo, diziam os antigos. No passado se praticavam castigos corporais, humilhantes e duros. Hoje todos estão contra este tipo de atitude. No entanto, os pais têm obrigação de apontar limites aos filhos. Devem indicar o certo e o errado, o direito e o dever, pressupostos normais para a vida social. Quando os limites não são fixados estamos criando egoístas e anti-sociais.

OS PAIS TÊM o dever de dizer Sim e Não aos filhos, na hora certa. Muitas vezes dizer Não é um gesto de ternura; outras vezes dizer Sim é omissão. Amar é dizer Sim e Não na hora certa. O tempo, muitas vezes, ajuda a entender a atitude dos pais e agradecê-los. A mãe girafa nos ensina a firmeza e a ternura, cada coisa no tempo certo.


O Bispo