FELIZ NATAL

22 de dezembro de 2014 \\ Osmando Barbosa

E enfim o natal bate às nossas portas! Para muitos, Natal é um dia especial em que pessoas viajam para rever parentes e amigos. Para outros, Natal é promover festas, é uma oportunidade para se deixar extravasar os desejos da carne. Para uma criança, é uma data desejada e esperada com muita ansiedade para se ganhar presentes.
 
Talvez, para muitos, o Natal seja um momento do ano em que as famílias se reúnem para se alegrar e agradecer a Deus por mais um ano que se passou. Para os empresários e comerciantes, é um dos eventos festivos do ano que abre o maior espaço para vendas em todos os aspectos.
 
Na verdade, o Natal que a humanidade comemora tem pouco a ver com o nascimento de Jesus.
 
Biblicamente, Ele nasceu um dia em Belém da Judeia. Seu nascimento foi singular, simples e humilde.
Em Belém nasceu Jesus, a parte humana, a carne do verbo, as vestimentas de carne e ossos com as quais o verbo se cobriu para que pudéssemos ver a sua glória, Jo 1: 1-3.
 
E para o cristão, o que é mesmo Natal? Festas, presentes, compras, viagens, encontros familiares, etc.
 
O cristão deve ter em mente que Natal para ele tem um sentido profundamente espiritual, e não apenas um sentido humano. Vejamos, então, o que podemos aprender a respeito do Natal cristão, a partir do registro feito por Mateus sobre o nascimento de Jesus, em Mt 2: 1-1? 
 
E é com esse intuito que divido com vocês um dos mais belos textos de natal que já li. Escrito por padre Zezinho, é uma bela linção de natal. 
 
 
Voltar
Pe. Zezinho
 
Das bandas da Palestina, do outro lado do mundo, vem uma história divina e de conteúdo profundo: um filho de carpinteiro, que aos poucos se revelou, acabou crucificado, por conta do seu recado e das coisas que falou.
 
Ele queria igualdade, mais respeito pelos pobres, queria o direito á vida, queria o mundo mais nobre, mais nobreza de princípios, não nobreza de dinheiro. Era isso que pregava o filho do carpinteiro. Se ele é Deus não sei dizer; eu somente posso crer, mas quem conviveu com ele e ouviu o que ele falava e os milagres que operava e os poderes que ele tinha, saiu de lá convencido que tinha visto e vivido com alguém especial. 
 
Era muito mais que humano! Jesus era o nome dele! Jesus era muito mais! Não era filho de rei, nem de rico, nem de nobre, de fato, ele nasceu pobre, numa gruta em Belém. Dizem que a mãe era virgem, eu não estava por perto; eu só posso acreditar! Há gente que não aceita e eu resolvi aceitar!
 
Humano eu sei que ele era, porém não era comum. Também não sei quem é Deus, e nem como é que Deus é; mas se veio para a Terra, para morar entre nós, algum motivo ele tinha! Desde os primeiros humanos, parece que não deu certo essa tal liberdade…Fez o homem muito esperto. 
 
Acha que sabe o que faz, mas sempre acaba sem paz. Não faz o que já sabia, não faz o que deveria e, quando a coisa não sai do jeito que foi pensada, o homem vai lá e mata, pra se livrar do problema, problema que quase sempre, foi ele quem começou.
 
Homem é bicho tinhoso, é cabeçudo é teimoso, e mulher também o é. Gente quase ingovernável, confusa, de mente instável! Não sabe viver direito e não sabe conviver, e deve ser bem por isso que
Deus veio aqui viver!
 
Diz o grande e santo livro que ele veio nos salvar; assumiu a forma humana, a fim de nos libertar; chegou pra trazer mais luz, nasceu lá na Palestina e o nome dele é Jesus. Mas o homem que é tinhoso não gostou do que ele fez, não gostou do que ele disse e matou Jesus na cruz. Mas hoje nós celebramos o dia do nascimento do filho do carpinteiro que se chamava Jesus.
 
Existe quem não crê nele e nem crê na sua cruz; e muito menos aceita o poder da sua luz. E eu aqui, sabendo pouco, procuro sempre a verdade. Vejo a bondade e a maldade e procuro por mais luz; e é nessa minha procura que eu descubro Jesus. Se ele é Deus ou se não é, isso eu não posso provar; eu só posso acreditar. Aposto que ele é do céu, e proclamo que ele é Deus, que assumiu a forma humana.
 
O Deus que é santo e perfeito, nos mostrou que a humanidade, malgrado toda a maldade, um dia pode ter jeito!
 
E eu vivo dessa esperança! O mundo inda vai ser bom, pois Deus passou por aqui! Parece que foi embora, mas ele não foi de vez; pois falou e garantiu que estaria bem presente, onde houvesse dois ou três pensando no que ele disse, pensando no que ele fez.
 
É por isso que o Natal é assim tão importante. É dia de recordar que Deus não está distante; é dia do Deus presente, que se importa com a gente!…