• Dono de posto de combustíveis em Feira pede mais fiscalização para revendedoras

Dono de posto de combustíveis em Feira pede mais fiscalização para revendedoras

15 de fevereiro de 2018 \\ Geral

O proprietário de uma rede de postos de combustíveis de Feira de Santana, Raimundo Catarino, pediu, em entrevista ao Acorda Cidade, mais fiscalização para as revendedoras. De acordo com ele, o reajuste no preço da gasolina para R$ 4,34 na semana passada é reflexo da crise que os donos de postos vêm enfrentando "por conta da nova política de preços da Petrobras e revendedores desonestos".

“Nos últimos dois anos, estamos passando por uma crise violenta convivendo em um mercado em que lidamos com revendedores desonestos e companhias que recebem autorização da Petrobras para baixarem os preços, oscilando. Esses preços não são passados para o revendedor, que se vê obrigado a seguir outros revendedores. E o governo do estado, a fiscalização da ANP, e das secretarias da Fazenda Estadual e Federal, não observam, eu não sei por que”, afirmou o empresário ao Acorda Cidade.

Ele afirmou que em Feira de Santana há revendedores que trabalham com produtos sem nota, regulando bombas para baixo, vendendo álcool com 86% e outras situações. “Essas pessoas entram no mercado e a gente não tem como fazer a não ser segui-las aviltando o preço, numa faixa insustentável. Então nós somos forçados a seguir essas pessoas”, denunciou, sem citar nomes.

Ainda conforme Raimundo Catarino, o aumento no preço dos combustíveis foi apenas um realinhamento.

“O governo federal, desde que a Petrobras chegou nessa crise, dá subidas e descidas e chegou a 24% o preço da gasolina em 2017. Pra que a gente sobreviva temos que seguir esses elementos nocivos, que estão no mercado, e que infelizmente não temos uma fiscalização que faça o seu dever de casa. Nós somos taxados de ladrões e gananciosos, mas os mais gananciosos são do próprio governo, pois a cada R$ 100 do preço da gasolina, R$ 55 vai para o governo".

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE