• Mulher tem carro apreendido por engano e Detran ainda quer cobrar por estadia em pátio

Mulher tem carro apreendido por engano e Detran ainda quer cobrar por estadia em pátio

16 de maio de 2018 \\ Geral

Uma comerciante de Feira de Santana está sem seu veículo há mais de 30 dias, devido a uma apreensão equivocada feita pela Polícia Militar, denunciou o deputado estadual Carlos Geilson (PSDB), em discurso na Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira (15). Desde o dia 14 de abril, a proprietária do carro, Márcia dos Santos tenta e não consegue retirar seu automóvel, do pátio conveniado do Detran naquela cidade. Segundo Márcia, o veículo, um Gol prata, foi apreendido por engano em uma blitz da Polícia Militar. Na ocasião, ela foi informada que havia uma ordem judicial determinando a apreensão. A comerciante procurou um advogado que solucionou o mistério: o carro que era alvo de busca e apreensão era um Fiat Pálio preto, com placa de Salvador. O equívoco foi causado pelo fato de as placas dos carros serem muito parecidas. Márcia já conseguiu provar na Justiça que foi um equívoco e tem em mãos uma ordem judicial, expedida pela juíza Júnia Araújo Ribeiro Dias, determinando a liberação do veículo. "Mas, mesmo assim, o Detran, não quer liberar o veículo”, queixou-se. É que o responsável pelo pátio de estacionamento para onde o carro foi levado alega que o espaço é particular e que para liberação do veículo precisa da autorização do Detran. Mas o órgão diz só conceder a autorização mediante o pagamento de uma dívida de R$ 1.555 pelo uso do espaço e outras despesas. "Já não basta o prejuízo de estar há 31 dias sem o veículo e arcar com honorários advocatícios? Essa mulher ainda tem que pagar o guincho e o pátio para onde foi levado o veículo apreendido de forma irregular? Isso é um absurdo! Só na Bahia do PT que isso acontece", frisou Geilson. (Ascom)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE