• Grupo protesta por falta de vagas em cemitérios

Grupo protesta por falta de vagas em cemitérios

16 de agosto de 2018 \\ Geral

Com caixões e cartazes, um grupo protesta contra falta de vagas em cemitérios de Salvador, nesta quinta-feira (16). A mobilização começou por volta das 12h, na região da Rótula do Abacaxi, e seguiu em direção ao cemitério Quinta dos Lázaros, na Baixa de Quintas.

Durante a manifestação, integrantes do grupo deitaram nos caixões para chamar atenção para a falta de vagas na cidade. De acordo com a Transalvador, por volta das 12h30, os manifestantes já tinham chegado no cemitério da Baixa de Quintas e a mobilização não atrapalhava mais o fluxo de veículos na região.

"Tudo começa pelo líder comunitário. As comunidades procuram a gente e nós estamos com dificuldade em fazer os sepultamentos. Às vezes levamos de quatro a cinco dias com uma pessoa falecida, muitas vezes na funerária, aguardando uma vaga no cemitério", disse um dos manifestantes.

O que diz o governo do estado

Em nota, por meio da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), o governo informou que os serviços prestados pelo referido Cemitério da Quinta dos Lázaros (Celaz) pertencem ao Estado (covas de chão), entretanto, parte das atividades são desenvolvidas pelas irmandades, de forma não gratuita à população.

A pasta informou que assume, "através de instrumentos contratuais, as despesas com serviços administrativos e manutenção (transporte, informática, vigilância e conservação e limpeza) e serviços específicos da atividade fim (segregação, acondicionamento, coleta, transporte e destino final de resíduos de exumação)".

A Secretaria afirma, também, que a impossibilidade de sepultamento de outras pessoas, que não são indigentes, deve-se ao fato de que não existe mais a mão de obra denominada "coveiro" no quadro de pessoal da Sesab, o que impede o órgão de realizar concurso e ou licitação para a função.

Conforme a Sesab, as covas de chão, conhecidas como rasas, são para inumações de adultos e crianças, e hoje são para corpos oriundos do IML (Instituto Médico Legal Nina Rodrigues).

Ainda em nota, a Secretaria informou que, em Salvador, existem cerca dez cemitérios públicos e o único que não é administrado pela prefeitura é o Quinta dos Lázaros.

A Sesab afirmou que já fez contatos e reuniões com a prefeitura da capital baiana para transferir a administração do cemitério para a gestão do municipal, no ano de 2014. No entanto, não houve definição.

Ainda em nota, a Sesab infomrou que a Constituição de 1988, diz "que o serviço cemiterial tem que ser prestado pelos municípios", e que não é responsabilidade da Secretaria da Saúde do Estado realizar sepultamentos.

O que diz a prefeitura

Em nota, a administração de Salvador disse, que, "antes de discutir a possibilidade de a prefeitura assumir o cemitério, o governo do estado teria que fazer toda a recuperação do lençol freático que está contaminado, bem como um investimento na reestruturação geral do equipamento, que está completamente abandonado e sem condições adequadas de utilização".



Do G1 Bahia

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE