• ALBA: GALO QUER ACABAR COM ISENÇÃO TRIBUTÁRIA PARA A PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE AGROTÓXICOS

ALBA: GALO QUER ACABAR COM ISENÇÃO TRIBUTÁRIA PARA A PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE AGROTÓXICOS

18 de julho de 2019 \\ Geral

O deputado Marcelino Galo (PT) protocolou na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) o Projeto de Lei 23.395/2019 no intuito de acabar com a isenção tributária para a produção e comercialização de agrotóxicos.

A proposta sugere que seja acrescentado um parágrafo ao artigo 37 da Lei Estadual número 7.014, de 4 de dezembro de 1996, que dispõe sobre o Imposto Sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transportes Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

A redação do parágrafo proposto é a seguinte: “Ficam vedados a isenção, crédito, redução de base de cálculo, outras desonerações integrais ou parciais, ou qualquer outro benefício fiscal à produção e comercialização de agrotóxicos, seus componentes e afins”.

Ao justificar sua sugestão de lei, o petista lembra que a Bahia é o oitavo estado no Brasil no ranking de consumo de agrotóxicos. As substâncias são utilizadas em grande escala no setor agropecuário, especialmente nos sistemas de monocultivo em grandes extensões.

 “Além de contaminar grandes extensões de terras para além da área aplicada, esse veneno contamina também toda a biodiversidade, contaminando as nascentes, os rios, os afluentes, as escolas rurais, os povoados e as cidades”, informa o deputado, alertando também para os prejuízos que os agrotóxicos causam à saúde da população, como câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas. 

 Segundo Marcelino Galo, as leis que concedem benefícios fiscais à produção e comercialização de agrotóxicos são inconstitucionais, pois tal prática favorece o uso e a disseminação desse tipo de substância, colocando em risco o meio ambiente e a saúde dos cidadãos. “Essas normas contrariam os direitos constitucionais ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, à saúde coletiva e à proteção social do trabalhador”, explica.

 No texto, o legislador também argumenta que o incentivo ao uso da substância contraria o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica, instituído pelo Decreto 7.794/2012. “O plano busca promover o desenvolvimento sustentável e a qualidade de vida da população, por meio do uso adequado dos recursos naturais e da oferta e consumo de alimentos saudáveis. O aumento da utilização dos agrotóxicos relaciona-se diretamente com a expansão do agronegócio no país, cujo modelo, além dos agroquímicos, leva a outros grandes impactos socioambientais”, disse. 

 “O presente projeto de lei tem por objetivo contribuir para a garantia de um meio ambiente ecologicamente equilibrado, e que a saúde coletiva e a proteção social do trabalhador sejam esteio de toda a atividade produtiva. Ademais, leis que concedem as citadas benesses violam o princípio constitucional da seletividade tributária”, completou o deputado Marcelino Galo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE