•  Investimentos na saúde garantem melhor cobertura para usuários do SUS

Investimentos na saúde garantem melhor cobertura para usuários do SUS

27 de março de 2017 \\ Saúde

No mês em que Salvador completa 468 anos de fundação, o soteropolitano celebra as melhorias na saúde pública. Investimentos na construção de hospitais e na ampliação dos serviços hospitalares já refletem em uma cobertura mais completa na rede SUS. Em menos de dois anos, o cidadão passou a contar com novas instituições, como o Hospital da Mulher e o HGE 2, e a desfrutar de um atendimento melhor com a requalificação do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), Hospital Geral Ernesto Simões, Centro Estadual de Oncologia (Cican) e diversas ações itinerantes realizadas pelo Governo do Estado. 

“A população está muito mais bem servida, não só em quantidade e capacidade de atendimento, mas sobretudo na qualidade. Para o Governo do Estado, o hospital que atende a rede do SUS tem que ter o mesmo padrão de excelência de um hospital privado. Para isto, investimos no que há de melhor no mundo em termos de equipamentos.Também temos nos preocupado com a qualidade dos ambientes, oferecendo instalações com ar condicionado em todas as áreas”, afirma o secretário de Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas. 

No Complexo HGE, a inauguração do HGE 2 garantiu 160 novos leitos, onze salas cirúrgicas, um Centro de Atendimento a Queimados e a ampliação do número de profissionais da saúde para quatro mil pessoas. A unidade hospitalar também conta com oito leitos de UTI pediátrica - pendência no Hospital Geral do Estado até o final do ano passado. A soma de equipamento e aparelhagem modernos com uma equipe médica ampliada desafoga o HGE, possibilitando que casos de traumas e queimaduras sejam tratados sem interrupção. 

HGE2
Inauguração do HGE 2 garantiu 160 novos leitos, onze salas cirúrgicas, um Centro de 
Atendimento a Queimados (Foto: Camila Souza/ GOVBA)


“Um grande problema que nós tínhamos no HGE é que operávamos o paciente no setor de trauma e ele necessitava deste segundo tempo da cirurgia, que muitas vezes era prorrogado. Éramos obrigados a desmarcar as cirurgias pois todas as salas de cirurgias estavam ocupadas com a urgência. Agora a vítima é operada no HGE num primeiro momento e, caso ele necessite de uma segunda intervenção e de uma complementação de uma cirurgia, ela é feita no HGE 2”, explica o cirurgião André Luciano Andrade, diretor-geral do Complexo HGE. 

Aos 54 anos, a dona de casa Anaildes Santana dos Santos passa mais tempo no HGE 2 do que em sua própria residência. Ela acompanha o marido internado por conta de um traumatismo craniano, após uma queda no banheiro em 2016. De acordo com esposa do paciente, o empenho da equipe médica e a infraestrutura com equipamentos modernos garantiram a reversão do quadro de saúde. 

“A equipe médica salvou a vida dele. O atendimento antes e depois da cirurgia foi determinante para que meu marido ficasse vivo. Eu já não tinha mais nenhuma esperança, mas graças a Deus e à equipe médica a situação foi revertida e hoje ele está com quadro estável”, conta Anaildes. 


Hospital Roberto Santos como referência


Em agosto, a descoberta do vírus zika associado à microcefalia completa dois anos. Neste período, quando a Bahia começou a viver um surto da doença, o Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), maior hospital público do Norte e Nordeste, se consolidou como centro de referência em ensino e pesquisa e divulgou alguns dos trabalhos acadêmicos mais importantes do mundo. Em parceria com a Fiocruz, Instituto Evandro Chagas, Universidade do Texas e Universidade de Yale, o HGRS descobriu, por exemplo, o primeiro caso de glaucoma congênito decorrente do Zika vírus. Isto foi possível graças ao acompanhamento específico feito no ambulatório de microcefalia da unidade. 

“Aqui as mães são acolhidas e os casos são estudados para que a gente faça a prevenção. Aqui nós identificamos os casos e damos todo o acompanhamento às gestantes, mesmo após o parto. O Roberto Santos centraliza todos os serviços que garantem dar todo o suporte sem que as mães fiquem desorientadas procurando por serviços em locais diferentes”, destaca o diretor do Hospital Geral Roberto Santos, José Admirço Lima Filho. 

Com a reforma e ampliação do hospital, o ambulatório mudou para um novo prédio, mais confortável e com mais espaço para abrigar novas especialidades. Às quartas-feiras, uma equipe multidisciplinar acompanha gestantes com diagnóstico de microcefalia e mães com seus recém-nascidos. O atendimento vai do pré-natal de alto risco à neuropediatria, com apoio de fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, psicologia e enfermagem. Há tratamento para as grávidas e para os bebês nascidos com zika associado à microcefalia. 

UTI Neo
Ampliação no HGRS proporcionou 43 novos leitos de UTI e semi-intensiva neonatais.
(Foto: Elói Corrêa/ GOVBA)


Neste período, o Governo do Estado inaugurou 43 novos leitos de UTI e semi-intensiva neonatais, ação que proporcionou mais conforto para essas pacientes no momento do parto. Também foi inaugurado centro de imagem, com ressonância e tomografia de última geração, capazes de realizar exames mais rápidos para que as gestantes tenham possibilidade de iniciar atendimento personalizado o quanto antes.


Cican e Hospital da Mulher

O Centro Estadual de Oncologia (Cican) e o Hospital da Mulher são outras duas instituições que reforçam o suporte da rede SUS. Criado há 35 anos, o Cican, que teve a renovação do parque radiológico concluída, atende pacientes com suspeita ou câncer constatado, com especialidades como ginecologia, mastologia, oncologia clínica, urologia, dermatologia, proctologia, anestesiologia e terapia da dor. São realizados procedimento diagnósticos, com destaque para a detecção do câncer de próstata e de mama, os tipos mais comuns com 3,9 mil e 2,7 mil casos por 100 mil habitantes na Bahia, respectivamente, conforme pesquisa do Instituto Nacional de Câncer. 

Os casos mais graves, onde é necessária intervenção cirúrgica, são encaminhados para o hospital Roberto Santos (público masculino) e da Hospital da Mulher (público feminino). O segundo, inaugurado no início deste ano, atende demanda específica, com consultas médicas, exames e assistência em várias especialidades, incluindo serviços ginecológicos, oncológicos, além de atendimentos para situação relacionadas à violência sexual e planejamento familiar. 

A infraestrutura moderna possui ambulatório, centro cirúrgico, enfermaria e Unidade de Terapia Intensiva (UTI). As pacientes chegam à unidade por meio da Central Estadual de Regulação, vinculada às secretarias municipais de saúde e são acolhidas por uma equipe multidisciplinar constituída por assistentes sociais, psicólogos, enfermeiros e médicos. 


Repórter: Leonardo Martins

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE