• UPA 24h de Euclides da Cunha é fechada

UPA 24h de Euclides da Cunha é fechada

05 de janeiro de 2017 \\ Saúde

Os moradores da cidade de Euclides da Cunha - BA estão sem à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), denominada UPA 24h Dr. Aristides Freitas,  pois a mesma foi fechada.

Com total insatisfação, Gabriel Nunes, filho da ex- prefeita de Euclides da Cunha, Fátima Nunes, externou sua tristeza e indignação com o fechamento da UPA em sua página do facebook . Confira na íntegra a publicação:

"UPA fechada! É com muita tristeza que observamos uma das primeiras tomadas de decisão da atual administração municipal, decisão essa que prejudicará todo um projeto de melhoria na qualidade da saúde municipal! Uma obra desse porte sempre precisará de pequenos ajustes, mas nunca com a necessidade de uma medida tão drástica e que retira da população um dos maiores legados adquiridos para o município nos últimos anos! 

Observamos a todo tempo desculpas e argumentos desconexos para uma atitude precipitada e infundadas que demonstra que a promessa de administração humanizada era apenas politicagem e uma forma de angariar votos! 

 Deixo aqui importantes pontos abordados pela ex-secretária de saúde Luciana D'Lima:

"Infelizmente, o fechamento da UPA de Euclides parece ser uma realidade. A primeira marca de uma nova gestão administrativa é exatamente tirar da população um "benefício" concedido. Uma obra que tem a função de melhorar diretamente a assistência à saúde da povo. É com pesar que, como euclidense, encaro essa informação.

O mais estranho é que a mesma equipe que condena ao fechamento a UPA de Euclides fazia, há bem pouco tempo, parte da equipe que construiu e abriu a UPA de uma cidade vizinha. O mesmo projeto executado, pertencente à mesma região de saúde, que ainda não possui SAMU instalado, mas que mesmo assim está com sua UPA funcionando. Valendo ressaltar que, diferente do propagado, o Ministério da Saúde não tem colocado impedimento em habilitar unidades que não estejam com o SAMU funcionando. O que prova isso é exatamente o fato de existir várias UPAS abertas sem SAMU e vários SAMU funcionando, sem UPA aberta. Essa foi exatamente a fala da técnica do Ministério da Saúde ao ser consultada sobre a situação de Euclides.

Então, qual é o bom senso que existe no ato de fechar? Se utilizar de argumentos "falhos" para interromper o serviço prestado na unidade é no mínimo uma falta de coerência por parte de seus executores.

É bom deixar claro que tal atitude é motivada meramente pelo "desejo" de não querer vê a unidade funcionando e atendendo à população. 

Pois, a equipe que para lá foi escalada é exatamente a mesma que já fazia parte do corpo de profissionais de saúde que trabalhavam no hospital ACM. Diferente do que se tem propagado. Tais profissionais possuem ampla bagagem no atendimento à urgência e emergência. 

Utilizar-se "inadequadamente" de um relatório de vistoria da Vigilância Sanitária da Regional, é outra forma de "confundir" a opinião popular. Pois, a vistoria foi pedida pela gestão Fátima Nunes no sentido de auxiliar a própria equipe da vigilância sanitária municipal, que legalmente é a responsável pela inspeção da unidade, a nortear as ações necessárias para otimizar o serviço e, ao contrário do propagado, nunca fechá-lo. Segundo o próprio parecer da VISA regional essa atitude é de exclusiva decisão do gestor de saúde local. Pois, o município tem total autonomia em funcionar a unidade se valendo das responsabilidades técnicas necessárias. O que

vale ressaltar, a UPA de Euclides possui até então responsáveis técnicos para todos os serviços.

É bom dar ciência à população que a grande maioria das questões levantadas como "inconformidades" nesse mesmo relatório foram sanadas antes do final do ano passado. O que demonstra ainda mais total equívoco no fechamento da unidade se baseando em informações que não mais são pertinentes.

O que se observa é um total "descaso" da nova administração com uma obra e serviço tão importante para o cidadão. Nela foi investido dinheiro público: da União, do Estado e do Município, tanto para construir quanto para equipar. A UPA de Euclides está equipada e com capacidade de funcionamento por pelo menos 40 dias, tempo esse mais que suficiente para se dar andamento ao quanto necessário para a unidade funcionar plenamente. 

Fazendo uma reflexão, lembro que o hospital municipal manteve seu funcionamento, mesmo estando em reforma, por aproximadamente 8 meses e nós não tivemos prejuízos na manutenção do mesmo aberto. O que impulsionou tal atitude foi exatamente a avaliação do risco benefício e o compromisso da gestão em não privar a população do serviço, mesmo sendo necessário fazer a reforma. Manter a unidade aberta foi uma decisão exclusivamente dos gestores no período. Acredito que mais do que acertada; visto que, não tivemos qualquer intercorrência que não pôde ser sanada em decorrência do fato de estar reformando a unidade.

Agora me pergunto, uma unidade nova e bem equipada, com equipamentos de ponta, prontos para serem "ligados na tomada" e prestarem uma assistência jamais vista aqui em Euclides. É coerente fechar por questões tão facilmente resolvíveis? Bastando somente um pouco de força de vontade, dedicação e bom senso. 

Diante de tal situação, a quem interessa mesmo o fechamento da UPA? Qual o real motivador de tal atitude? Até porque o fechamento da mesma foi anunciado antes mesmo da posse da nova administração municipal.

Nesse momento paira um verdadeiro sentimento de puro retrocesso à saúde pública de Euclides da Cunha. 

Aproveito o ensejo para me solidarizar com todos os profissionais que lá estavam lotados e que foram privados de exercerem a sua profissão, da forma que gostam e sabem fazer.

É bom lembrar que o Ministério da Saúde só habilita serviço que já está em funcionamento. Ou seja, nossa UPA nunca irá funcionar se ficar dependendo primeiro da chegada do recurso nos cofres do município!"

É bom parar e pensar!", publicou Gabriel.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE